GLORY OPERA

217222_108304995920802_539598_nEmbora existam vários trabalhos importantes no sentido de se conhecer e preservar a cultura indígena, eles não teriam sentido se não pudessem ser usados de forma prática, no dia a dia das pessoas, e é exatamente isso que artistas que trabalham com uma linguagem mais popular, mais abrangente, tem feito.

A cultura indígena é muito complexa para quem vive fora dela, assim como toda cultura; dessa forma, se faz necessário que existam “tradutores”, ou seja, pessoas que consigam captar a essência da cultura ancestral e difundi-la dentro de outros contextos. Há muito trabalho bom sendo desenvolvido aqui no Brasil, que utiliza a cultura indígena como matéria prima para obras fantásticas, que utilizam uma linguagem acessível e que contribui, assim, para que um número maior de pessoas possa aprender aos poucos a respeitar e a admirar a nossa cultura ancestral. Iremos apresentar alguns desses trabalhos aqui, e começamos com uma banda fantástica de Manaus, a Glory Opera.

O Glory Opera foi formado em 1997, em Manaus, mas despontou no cenário nacional em outubro de 2000, quando o baterista Helmut Quacken e o vocalista Humberto Sobrinho foram convidados pelo Rafael Bittencourt, guitarrista do Angra, para fazer testes para a banda, a história começou em Recife, com um amigo de Humberto, que entregou a Kiko Loureiro, também guitarrista do Angra, uma fita com um show do Glory Opera realizado em agosto de 2000.

Em janeiro de 2001, Helmut e Humberto foram para São Paulo fazer os testes do Angra. Humberto chegou a gravar duas músicas, Acid rain e Running alone . Apesar de Edu Falaschi e Aquiles Priester serem os novos integrantes da banda, a experiência valeu como intercâmbio musical, juntamente com a certeza de que o Glory Opera já estava sendo reconhecido.

O Glory Opera lançou seu primeiro álbum no dia 12 de outubro de 2002, Rising Moangá’, pela gravadora Megahard. O feito foi comemorado com um show em Manaus para cerca de mil e quinhentas pessoas. A principal marca da estréia, e que é tida como um diferencial da banda é a presença de elementos da cultura amazônica tanto na melodia, quanto nas letras.

A formação tinha os fundadores da banda: Helmut Quacken na batera, Jean Rothen na guitarra, Emerson Dácio no baixo e Paulo Rangel nos teclados, mais Humberto Sobrinho nos vocais, e Stanley Wager na guitarra (músico convidado).

O álbum narra a saga de um índio guerreiro que se apaixona por Iara. Na época a banda recebeu alguns prêmios de sites especializados e revistas, sendo eleita, por exemplo, a revelação do ano de 2002 pela revista Rock Brigade, e deu um grande passo na carreira da banda, rendendo-lhes uma pequena turnê passando por São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, abrindo para o Nightwish nas duas últimas cidades citadas.

A turnê começa dia 1 de maio de 2002 em Manaus e termina dia 10 de julho de 2004 no Directv Music Hall em São Paulo, foram cerca de 30 shows.

Em 2002 a banda abre 2 shows para o e Nightwish e um para o Shaman. Nesse ano a banda toca em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Fonte: Glory Opera

Facebook: https://www.facebook.com/pages/Glory-Opera/108304725920829

Segue o clipe da belíssima faixa Iara, do álbum Rising Moanga. No clipe podemos ver imagens maravilhosas da Amazônia.

CLIPE IARA

Clique na imagem para assistir ao clipe.

TRADUÇÃO

Iara

Apesar desta neblina, está tão claro para mim
Assim como fogo através das árvores
Não há medo em seu rosto enquanto
Não há medo enquanto ela sorri

Por um momento a dor se foi
Em seus olhos, meu destino
Ódio e raiva poderiam ser desfeitos
Eu irei esquecer o meu legado

Enquanto ela canta, eu sinto o vento…
O espírito brilha em paz
Enquanto ela canta, eu sinto minhas lágrimas
Caindo, eu sei que encontrei…

Ela é a senhora das águas
O coração mais puro que já vi
Pode este amor perdoar os pecados
Que seu povo fez comigo?

Enquanto ela canta, eu sinto o vento…
O espírito brilha em paz
Enquanto ela canta, eu sinto minhas lágrimas
Caindo, eu sei que encontrei…

A mão que irá guiar-me para fora deste lugar
Aonde os rios se tornam um só, tão unidos
Eu irei deixar esta floresta de recordações
Iara me manterá vivo

Iara:
Siga a luz dos meus olhos para se libertar
Nosso amor não pode desbotar na eternidade

Anúncios

Um comentário sobre “GLORY OPERA

  1. Pingback: MORRIGAM | PINDORAMA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s